Pular para o conteúdo principal

CORUMBÁ, MATO GROSSO DO SUL - A maior e bem-estruturada cidade do pantanal e um dos melhores locais para avistar animais





CONHEÇA A CIDADE DE "CORUMBÁ", MATO GROSSO DO SUL, BRASIL
• Turismo - Atrativos 
• O Rio Paraguai - Margeado por árvores é navegável em quase toda a sua extensão. Ideal para a pesca e passeios fotográficos. 
• Casa das Artes Izulina Xavier - inúmeras peças artesanais confeccionados em pó de pedra e concreto, cerâmica e entalhes de madeira. 
• Igreja Nossa Senhora da Candelária - Inaugurada com solenidade em 1877 , a igreja localizada em frente a Praça da República tem em seu altar um brasão da Coroa portuguesa.
• Santuário Mª Auxiliadora - No Santuário está a escultura de madeira de lei construída na década de 50 pelo artista plástico Burgos, amigo pessoal de Pablo Picasso, que viveu em Corumbá e deixou inúmeras obras de madeira e gesso. 
• Casa do Massa-Barro - Foi criada para incentivar a arte em cerâmica. Seus artistas são crianças e adolescentes que modelam a flora e animais Pantaneiros com argila 
• Pesca No Pantanal - A Pesca no Pantanal de Corumbá atrai pescadores do Brasil e até do exterior. O rio Paraguai é conhecido mundialmente por sua beleza, preciosidade e sua rica diversidade de peixes. Somada a isso, o pescador pode apreciar e desfrutar de um dos ecossistemas mais fantásticos do planeta. 
Corumbá possui uma ótima estrutura com hotéis, restaurante, pousadas e barcos-hotéis. Pescar no Pantanal é um sonho para quem ama a pesca turística e esportiva, principalmente a do tucunaré. Mas para pescar em rios o Estado, o turista deve ficar atento à legislação de pesca.
• Moinho Cultural Sul-Americano - A escola é uma ação da ONG Instituto Homem Pantaneiro. O Moinho Cultural oferece a cidadania pelo aprendizado e prática das artes, dança e música. desenvolve oficinas de capacitação e renda destinando aos familiares oportunidades de melhoria na qualidade de vida.
• Museu de História do Pantanal - MUPHAN 
Inaugurado em agosto de 2008, no histórico prédio Wanderley & Baís, construído em 1876, no Porto Geral de Corumbá, o MUPHAN retrata a identidade do Pantanal de forma lúdica, didática e interativa, com recursos cenográficos. No espaço é possível conferir fósseis, fragmentos arqueológicos, bem como obras interativas que abordam temas como a guerra com o Paraguai, incursões jesuíticas, ocupação indígena e atividades econômicas desta região. 
• Ladário - A cidade que faz divisa com Corumbá tem cerca de 15 mil habitantes e abriga a maior base fluvial da América Latina. O portal de entrada do 6º Distrito Naval da Marinha foi instalado em 1872 e é chamado o Arco do Triunfo do Pantanal. Pórtico da Marinha em Ladário - Portal do 6 Distrito Naval de Ladário, com seu valor histórico na defesa de nossas fronteiras.
BEM VINDO A CORUMBÁ, MS. A CIDADE BRANCA
foto - Wikipédia
População estimada 2016 (1) - 109.294
Área da unidade territorial 2015 (km²) - 64.962,854
Densidade demográfica 2010 (hab/km²) - 1,60
Código do Município 5003207
Gentílico - corumbaense
ORIGEM DO NOME DA CIDADE DE CORUMBÁ, MS
Nome de origem tupi-guarani Curupah – que significa “lugar distante”
Gentílico: corumbaense
HISTÓRICO DO NOME DA CIDADE DE CORUMBÁ, MS
Com o nome de origem tupi-guarani “Curupah, que significa “lugar distante” “ e depois de ter outras denominações ao longo de sua história, Corumbá é conhecida como cidade branca, devido à cor clara de seu solo, rico em calcário. A ocupação da região teve início no século XVI quando, com a expectativa de encontrar ouro, a área do atual município foi explorada pelos portugueses, que começaram a chegar em 1524.
Fundado em 1778 para impedir os avanços dos espanhóis pela fronteira brasileira em busca do mineral precioso, o Arraial de Nossa Senhora da Conceição de Albuquerque “primeira denominação do vilarejo” transformou-se no principal entreposto comercial da região. Quando a passagem de barcos brasileiros e paraguaios pelo Rio Paraguai foi liberada, e devido à importância comercial que passou a ter, a localidade foi elevada a distrito em 1838 e, em 1850, a município.
Durante a Guerra do Paraguai (1864 a 1870), a freguesia de Santa Cruz de Corumbá “nome que recebeu na emancipação” foi palco de uma das principais batalhas do conflito, sendo ocupada e destruída por tropas de Solano Lopez em 1865. A partir de 1870, ao ser retomada pelo tenente-coronel Antônio Maria Coelho, a cidade começou a ser reconstruída. Na mesma época, imigrantes europeus e de outros países sul-americanos chegaram, impulsionando o desenvolvimento local. Como resultado, Corumbá foi o terceiro maior porto da América Latina até 1930.
Até a década de 1950, os rios Paraguai, Paraná e Prata eram os únicos meios de integração da região. Por isso, a cidade vivia sob a influência dos países da Bacia do Prata, dos quais herdou grande parte dos seus costumes, hábitos e linguagem. Isso ocorreu naturalmente devido à sua localização fronteiriça e ao isolamento físico que sofria na época.
A chegada da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil no início do século XX, porém, deslocou o eixo comercial do sul do Estado “então Mato Grosso” para Campo Grande. Os grandes comerciantes locais mudaram-se para outras cidades e Corumbá passou a priorizar comercialmente a exploração mineral e as atividades rurais, como a agropecuária.
A cidade iniciou atividades industriais na década de 1940, com a exploração das reservas de calcário “excelente para a indústria do cimento” e de outros minérios. No fim dos anos 1970, o turismo passou a ser explorado, revelando nova infraestrutura e viabilizando a restauração das construções históricas. Com o Pantanal ocupando 60% de seu território, Corumbá passou a ser chamada de capital do pantanal, constituindo-se o principal portal para o santuário ecológico.
AQUI A MARINHA DO BRASIL NA CIDADE DE CORUMBÁ, MS
foto - Paulo Yuji Takarada
ILA – INSTITUTO LUIZ DE ALBUQUERQUE / CASA DE CULTURA EM CORUMBÁ, MS
Fica em um prédio construído em 1871 para abrigar o Grupo Escolar Luiz Albuquerque, em homenagem ao fundador de Corumbá. Em 1978, passou a ser sede do Instituto Luiz de Albuquerque, Centro Regional de Pesquisa e Cultura, que visava contribuir para o desenvolvimento integrado da microrregião do Pantanal.
Em 1997, transformou-se em Casa da Cultura, sob responsabilidade da Fundação de Cultura do Estado de Mato Grosso do Sul. Atualmente, além das atividades culturais realizadas no local, é também a sede da Superintendência de Cultura do Município.
foto - PMC
UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO DO SUL
foto - ?
CRISTO REI DO PANTANAL EM CORUMBÁ, MS
O Cristo Rei do Pantanal, feito pela artista plástica Izulina Gomes Xavier, possui 12 metros de altura e situa-se no alto do morro São Felipe, em um mirante que proporciona vista privilegiada de Corumbá, Ladário, Bolívia e Pantanal. Disposta ao longo da subida do morro São Felipe, a Via Crucis mostra em 14 estações, com 72 estátuas.
foto - ?
MONUMENTO AOS HEROIS NA CIDADE DE CORUMBÁ, MS
foto - Wikipédia
PARQUE DA MARINA NA CIDADE DE CORUMBÁ, MS
foto - Wikipédia
SEDE DA POLÍCIA FEDERAL NA CIDADE DE CORUMBÁ, MS
foto - Paulo Yuji Takarada
BIBLIOTECA PÚBLICA DA CIDADE DE CORUMBÁ, MS
foto - ?
CAPTAÇÃO DE ÁGUA DA CIDADE DE CORUMBÁ, MS
foto - Marcelo SF
IGREJA DE NOSSA SENHORA AUXILIADORA DA CIDADE DE CORUMBÁ, MS
foto - ?
MATRIZ DE NOSSA SENHORA DA CANDELÁRIA DA CIDADE DE CORUMBÁ, MS
Datada de 1885, a Igreja Nossa Senhora da Candelária fica na região central de Corumbá, e é objeto de um episódio do folclore local envolvendo o religioso Frei Mariano. Contam os antigos que o frei quis que a catedral fosse construída em sua homenagem, o que não ocorreu.
Diante da negativa e da definição de que a igreja homenagearia Nossa Senhora da Candelária, Frei Mariano teria enterrado suas sandálias e declarado que, enquanto não fossem encontradas, a cidade sofreria um período de estagnação. O prédio foi tombado em 1992 como Patrimônio Histórico Nacional.
Foi a primeira igreja erguida em Corumbá
foto -  André Bonacin
VISTA AÉREA DA CIDADE DE CORUMBÁ, MS
foto - ?
CASARIO DO PORTO EM CORUMBÁ, MS
O Porto Geral de Corumbá é um dos principais cartões postais da Capital do Pantanal. Abriga uma série de construções que traduzem em sua arquitetura muito do passado efervescente do comércio corumbaense, no período em que a cidade tinha o terceiro maior porto fluvial da América Latina.
Os casarões hoje abrigam estabelecimentos comerciais, de agências de publicidade a lojas de artesanato e bares. No passado foram empórios e agências bancárias, além de residências das famílias que enriqueceram com a navegação fluvial. Também fica nesta área a primeira fábrica de gelo do Brasil. Em 1992, o Casario do Porto foi tombado como Patrimônio Histórico Nacional.
foto - ?
foto - ?
CONHEÇA UM POUCO MAIS DA BELA E HISTÓRICA CIDADE DE CORUMBÁ, MS
foto - ?
foto - ?
foto - ?
foto - ?
foto - Wikipédia
foto - Wikipédia
foto - Wikipédia
foto - Wikipédia
PRAÇA DA INDEPENDÊNCIA DA CIDADE DE CORUMBÁ, MS
A Praça, construída para ser inicialmente o zoológico da cidade foi inaugurada em 1917. Possui quatro estátuas em mármore esculpidas em Pisa na Itália, possui também um coreto em forma octogonal trazido da Alemanha juntamente com o calçamento da parte externa. Seu estilo arquitetônico é encontrado apenas em outras três praças, duas no Brasil e uma na Alemanha. Homenageiam-se na praça os heróis da guerra do Paraguai e da Segunda Guerra Mundial.
foto - Wikipédia
foto - ?
foto - Presfhe
foto - Marcelo SF
foto - Presfhe
foto - Paulo Yuji Takarada
foto - Paulo Yuji Takarada
foto - Paulo Yuji Takarada
foto - Paulo Yuji Takarada
foto - Paulo Yuji Takarada
foto - Presfhe
foto - Presfhe
foto - Marc Wensveen
foto - Celso M. Andrade
foto - Marc Wensveen
foto - ?
foto - ?
foto - ?
foto - ?
foto - ?
foto - ?
foto - ?
foto - ?
foto - ?
foto - ?
foto - ?
foto - ?
foto - ?
POSTO DA RECEITA FEDERAL DA CIDADE DE CORUMBÁ, MS
foto - Wikipédia
HOTEL EM CORUMBÁ, MS
foto - Paulo Yuji Takarada
RIO PARAGUAI PASSANDO POR CORUMBÁ, MS
foto - Wikipédia
O ENTORNO DA CIDADE DE CORUMBÁ, MS
foto - ?
foto - Presfhe
MACIÇO DO URUCUM NO ENTORNO DA CIDADE DE CORUMBÁ, MS
foto - ?
NA DIVISA COM A BILÍVIA
foto - Paulo Yuji Takarada
CAMINHO DO PANTANAL
foto - Marcelo SF
foto - Marcelo SF
CARNAVAL EM CORUMBÁ, MS
foto - Clovis Neto
POR DO SOL EM CORUMBÁ, MS
foto - Clovis Neto
foto - Clovis Neto
ESTA EH A BANDEIRA DA CIDADE DE CORUMBÁ, MS
ESTE EH O BRASÃO DO MUNICÍPIO DE CORUMBÁ, MS

VALEU PELA VISITA - SEMPRE VOLTE



Fonte / Fotos = IBGE / Thymonthy Becker / Wikipédia / Portal da Prefeitura de Corumbá / 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FIGUEIRÃO, MATO GROSSO DO SUL - Com rios límpidos, cachoeiras, paisagens de raríssima beleza e a famosa Pedra Bonita, ponto alto do turismo local

CONHEÇA A CIDADE DE "FIGUEIRÃO", MATO GROSSO DO SUL, BRASIL PRINCIPAIS PONTOS TURÍSTICOS: PEDRA BONITA DA CIDADE DE FIGUEIRÃO, MS É sem dúvida a mais tradicional referência de beleza de Figueirão. Localizada a apenas 5 km da cidade, ela, a Pedra Bonita, é a mais requisitada e visitada dos pontos naturais do Município, sendo até mesmo frequentada constantemente pelos munícipes, tamanho é o fascínio que exerce sobre todos.   (Prefeitura de Figueirão)

CACHOEIRA DO RONCADOR EM FIGUEIRÃO, MS Roncador é um rio de águas límpidas e possui formação rochosa em suas margens e leito, por isso em toda a sua extensão pode-se encontrar belíssimas cachoeiras, rodeadas de densa vegetação, formando paisagem de raríssima beleza, motivo de orgulho dos Figueirãoenses.  (Prefeitura de Figueirão) CRISTO DA CIDADE DE FIGUEIRÃO, MS Foi construído no alto da Serra das Araras no ano de 2004, pelo proprietário da Fazenda Rancho Figueirão, o Senhor Roberto Meireles Breves.  Fica a 5 Km da cidade e é local d…

CAMPO GRANDE, MATO GROSSO DO SUL - Com ruas largas e arborizadas, não perdeu o jeito de cidade do interior. Ela é porta de entrada para o Pantanal Sul, a Serra da Bodoquena e o Parque Nacional das Emas (em Goiás)

CONHEÇA A CIDADE DE "CAMPO GRANDE", MATO GROSSO DO SUL, BRASIL Vista parcial da cidade de Campo Grande, MS (Wikipédia) Com ruas largas e arborizadas, não perdeu o jeito de cidade do interior. Ela é porta de entrada para o Pantanal Sul, a Serra da Bodoquena e o Parque Nacional das Emas (em Goiás). A temática pantaneira está presente nas pinturas que decoram alguns prédios e na gastronomia. Imigrantes paraguaios, bolivianos e japoneses também deixaram sua marca. O fuso horário marca uma hora a menos em relação a Brasília.  Polo de turismo de negócios, campo Grande surpreende por ser planejada, com trânsito organizado, muitas áreas verdes e vida social agitada (Tiago Moser) TREM DO PANTANAL Apesar do nome, o passeio entre Campo Grande (saídas aos sábados às 8h) e Miranda (chegada às 18h) não chega a explorar as paisagens típicas do Pantanal. A parada em Aquidauana está reservada para o almoço e, em Taunay e Piraputanga, há venda de artesanato. O trecho de volta, entre Miranda e C…

O QUE FAZER NO PANTANAL BRASILEIRO - Em outras palavas: o Pantanal é imenso e merece planejamento para explorar a maior planície alagável do planeta, uma área de 210 mil km² e quase mil espécies de animais, segundo o ICMBio.

O QUE FAZER EM UM PASSEIO PELO PANTANAL BRASILEIRO
Localizada entre o noroeste do Mato Grosso do Sul e o sul do Mato Grosso, no Centro-Oeste brasileiro, a região é dividida em Pantanal Norte (MT), formada por destinos como Cáceres (220 km de Cuiabá), Poconé (102 km) e Barão de Melgaço (110 km); e Pantanal Sul (MS), com destaque para cidades como Miranda (198 km de Campo Grande), Aquidauana (130 km) e Corumbá (420 km).  Em outras palavas: o Pantanal é imenso e merece planejamento para explorar a maior planície alagável do planeta, uma área de 210 mil km² e quase mil espécies de animais, segundo o ICMBio.  CONFIRA ATRAÇÕES  Pantanal Norte  ⇒ Transpantaneira  A MT-060 tem 140 km de extensão, entre Poconé, portal do pantanal mato-grossense, e a localidade de Porto Jofre.  Essa estrada de terra com trechos precários é melhor aproveitada a bordo de carros 4×4. Com 123 pontes – a maioria delas em madeira -, a Transpantaneira é conhecida pelas áreas alagadas que atraem animais em busca de alimen…